Jeremy Rifkin, presidente da Foundation on Economic Trends, escreve no El País («El primer espacio político transnacional del mundo») que a construção europeia é “uma revolução das consciências e uma viragem na imaginação política”. Mas o economista norte-americano acredita que, mais do que olhar para a história, a União Europeia deve concentrar-se em objectivos concretos nas áreas do ambiente, da justiça social, da cooperação e da diversidade. Para Rifkin é neste último ponto que reside o verdadeiro desafio:

La prueba de fuego del Sueño Europeo será su capacidad de acoger e integrar a millones de inmigrantes procedentes de fuera de la UE, sobre todo las minorías musulmanas del norte de África y Oriente Próximo“.